Pular para o conteúdo principal

O QUE AS CRIANÇAS PENSAM SOBRE SER CRIANÇA?


Quando procuramos ouvi-las, podemos ter  significativas revelações!
As crianças pensam e refletem sobre SER CRIANÇA...
Nos indicam seus modos de pensar e de conceber o SER CRIANÇA!




COMO SER UMA CRIANÇA?

Artur Louzada Machado (9 anos)

Texto produzido em 06-02-2015

Ser criança é muito divertido.
Podemos brincar;
Podemos estudar;
Podemos fazer bagunça e
Várias outras coisas legais!

Mas não podemos nos esquecer!

A educação e o conhecimento vem em primeiro lugar.
A educação é muito importante.
Assim, podemos respeitar os outros,
Podemos ganhar o respeito do outro.
Com o conhecimento podemos contar os números,
Ler e saber sobre as pessoas que você nem conhecia no mundo antigo.
Por isso temos que ter o conhecimento.

SER CRIANÇA é ter educação e conhecimento!

O interesse vem em segundo lugar.
Ser criança, é ser interessada pelo conhecimento,
Interessada pela amizade,
Pela educação e outras tantas coisas.

 SER CRIANÇA é ser interessada!

A dedicação vem em terceiro lugar.
A dedicação é muito importante!
Se você não for uma criança dedicada,
Você pode não ter resultados na vida.

 SER CRIANÇA é ser dedicada,
 Dedicada pela educação,
 E interessada pelo conhecimento!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A ROTINA NA HORA DE DORMIR PARA O BEM ESTAR DAS CRIANÇAS

A ROTINA NA HORA DE DORMIR PARA O BEM ESTAR DAS CRIANÇAS
Por Ana Maria Louzada[1]
Dormir mal tem prejuízos para o desenvolvimento das crianças e para a qualidade do seu humor.
No post anterior, discutimos sobre a importância do ciclo completo do sono, isto é, uma boa noite de sono propicia um dia bem humorado.

Um sono tranquilo ajuda no seu desenvolvimento intelectual, emocional e social, com implicações significativas no seu bem estar ao longo do dia.

Nesse post vamos destacar sobre os cuidados com a rotina antes da hora de dormir, bem como sobre a necessidade de orientações, mediações e acompanhamento diário, para que as crianças possam aprender sobre os benefícios do sono.

As orientações na organização da rotina devem iniciar desde a mais tenra idade, sempre com o cuidado de considerar que à medida que as crianças crescem, elas exigem mediações adequadas ao período da infância que estão vivendo.
Isso porque, a rotina precisa ter conexão com os tempos (horários) e com o tempo da infânci…

CRIANÇAS... GRATIDÃO E ALEGRIA POR FAZER PARTE DOS SEUS SONHOS.

Olá! Hoje quero dedicar algumas palavras às crianças do mundo inteiro, e, em especial às crianças com as quais tenho convivido ao longo da minha vida: na família, na educação infantil (escola), na quadra de esporte, etc.
Em especial quero iniciar dizendo ao Leandro e ao Artur, filhos queridos e amados, que os aprendizados que vivencio na educação de vocês só me enriquecem a cada dia. Aprendizados que me fazem aprender o sentido de ser mãe. A mãe mais coruja desse mundo!
Quero dizer à Débora, menina que chegou de mansinho em nossa família, o carinho que tenho por você. Hoje ao lado do Leandro nos presenteia com a mais linda criança. Mãe da Ester, nosso amor maior. Uma criança que faz de você, querida Débora, uma linda menina mãe.
Assim, estendo meu sincero carinho às/aos sobrinhas/os Vívian, Rodrigo, Fernanda, Pedro, Gabriel, Vinícius, Luisa, Emanuele, crianças que fazem a alegria das nossas vidas.
Rememoro também aquelas crianças com as quais convivi na minha infância... Em especial as mi…

COMBINADOS, QUANDO DIALOGADOS TRANSFORMAM RELAÇÕES ENTRE ADULTOS E CRIANÇAS

Ana Maria Louzada[1]
Temos ouvido ao longo dos tempos, que fazer combinados com as crianças é de extrema importância em sua formação. 
Sim! Concordamos, pois ao inserirmos as crianças em práticas de discussões e reflexões estaremos contribuindo com o processo educativo das mesmas.
No entanto, o que mais observamos são combinados unilaterais. Os adultos ditam as normas e as crianças obedecem. São pseudo-combinados, tendo em vista que não se oportuniza o diálogo sobre as questões em voga. Tipo: “hoje nós vamos à pracinha, mas você não pode correr, não pode isso... não pode aquilo e não...não e não. Combinado?”
Dessa forma, o que estamos de fato fazendo é ditando as normas a serem cumpridas e não combinando com as crianças as atitudes que precisam ser vivenciadas no decorrer do passeio. 
Melhor seria: “Hoje vamos à pracinha. Vocês já conhecem o melhor espaço para brincar? Para que possamos aproveitar o nosso passeio precisamos combinar algumas coisas...” E assim, permitir que as crianças expr…